Utilização da água magnetizada para a irrigação por gotejamento do cafeeiro Destaque

Escrito por  Ago 16, 2018

André Luís Teixeira Fernandes

Professor Doutor Universidade de Uberaba – UNIUBE, Pró Reitor de Pesquisa, Pós-gaduação e Extensão

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Roberto Santinato

Engenheiro Agrônomo e pesquisador do MAPA/Procafé

Reginaldo Oliveira Silva

Técnico agrícola

 

Crédito Luize Hess

Crédito Luize Hess

Para que a irrigação seja uma prática viável, justifica-se adotar práticas que promovam a produtividade, o lucro e a sustentabilidade. O gotejamento tem sido comprovadamente uma técnica que economiza água e insumos. Todavia, problemas relacionados com o entupimento de mangueiras e a precipitação de sais inviabilizam o seu uso em algumas regiões, principalmente onde as águas provêm de rochas calcárias. Também se aumenta em muito o desperdício de água e energia elétrica do sistema devido a esta situação.

Dentro deste contexto, surge como alternativa o tratamento da água por campo magnético, que é um método sem utilização de produtos químicos ou energia elétrica. Acredita-se que a água tratada utilizada para a irrigação pode melhorar a produtividade, conservando assim o abastecimento para a futura escassez de água.

Este trabalho teve como objetivo avaliar a utilização da água magnetizada no crescimento e produção do cafeeiro irrigado por gotejamento. Após três safras consecutivas, concluiu-se que a utilização da água magnetizada promoveu significativos aumentos na produtividade do cafeeiro. Em termos de qualidade, também se verificou maiores percentagens de frutos cereja nos tratamentos magnetizados. São necessárias mais duas safras para finalização do trabalho.

 

 

A técnica

 

Técnicas de tratamento com água magnetizada têm se mostrado promissoras em diferentes áreas, especialmente na agricultura. Alguns benefícios relatados dessa técnica na agricultura são a melhoria de qualidade e quantidade da água de irrigação, aumento da produtividade, poupança de água, redução do uso de fertilizantes, diminuição do entupimento nas tubulações, “efeito memória” na água e outros (LIN; YOTVAT, 1989).

Efeitos positivos também são observados na redução da tensão de superfície, em água tratada com dispositivos magnéticos, facilitando a penetração da água nas paredes celulares. Isso explicaria o crescimento vegetativo mais rápido, o que é possível porque as pontas das raízes secretam enzimas que dissolvem cristais em solo, permitindo que as raízes absorvam minerais dissolvidos (KRONENBERG, 1993).

Devido à natureza polar da água, quando induzida por um campo eletromagnético produz-se uma ordenação em suas moléculas formando clusters menores de moléculas de água, diminuindo a tensão superficial da água e, consequentemente, esses aglomerados são mais facilmente absorvidos pelas células (KRONENBERG, 1993).

A aplicação de campo magnético tem tido eficácia no controle do problema de incrustações em tubulações, as quais estão associadas à cristalização do carbonato de cálcio e a outras espécies químicas. Porém, não se sabe exatamente quais são as propriedades físicas afetadas pelo campo magnético.

Contrariamente a outros estudos, não se confirmou o efeito do campo magnético sobre a tensão superficial em soluções aquosas (LANDGRAF et al., 2004). Dentro deste contexto, foi instalado um experimento no Campo Experimental IzidoroBronzi, em Araguari(MG), com o objetivo de avaliar o desenvolvimento vegetativo, produtivo e a qualidade do café irrigado por gotejamento, com e sem a utilização do tratamento de água por magnetismo.

 

Material e métodos

 

A utilização da água magnetizada promove aumento na produtividade do cafeeiro - Crédito Ana Maria Diniz

A utilização da água magnetizada promove aumento na produtividade do cafeeiro – Crédito Ana Maria Diniz

Instalou-se o ensaio, com o dispositivo comercial Sylocimol Rural,no campo experimental da Associação dos Cafeicultores do Cerrado (ACA), em Lavoura de café situada na Fazenda Chaparral, às margens da Rodovia do Café, Km 09, município de Araguari (MG), latitude 18º38´, altitude 820 m.

O clima é classificado pelo método de Köppen como Aw, tropical quente e úmido, com inverno frio e seco. A precipitação anual é de 1.606 mm e a temperatura média anual é de 21,9ºC. O sistema de irrigação é por gotejamento, com emissores autocompensantes. O café, da variedade Catuaí IAC 62 amarelo, idade de 11 anos, foi instalado no espaçamento 3,70 x 0,70 m.

Os tratamentos utilizados foram: Tratamento 1: irrigação com água sem tratamento; Tratamento 2: irrigação com aplicação de água magnetizadapeloSylocimol Rural uma vez por semana (50% da necessidade de água da cultura do café) e Tratamento 3: irrigação com aplicação de água magnetizadapeloSylocimol Rural duas vezes por semana (100% da necessidade de água da cultura do café).

O delineamento utilizado foi o inteiramente casualizado, com três tratamentos e cinco repetições, totalizando 15 parcelas experimentais. Cada parcela contou 20 plantas, sendo consideradas úteis as 10 plantas centrais. Os dados foram submetidos à análise estatística com nível de significância de 5% de probabilidade.

As avaliações constaram de medidas biométricas (número de nós e comprimento de internódios), produtividade e qualidade. Para o beneficiamento, foram retiradas amostras de 1,0 kg de grãos em coco de cada tratamento, que passaram por uma máquina elétrica vibratória, depois a classificação das peneiras foi realizada manualmente (malhas de diâmetros 19, 18, 17, 16, 15, 14, <14).

Ao final da terceira colheita foi feita a análise química da água por tratamento e também uma análise química dos grãos de café colhidos. Durante toda a condução do experimento monitorou-se o teor de nutrientes nas folhas e no solo.

 

Resultados

 

Na Tabela 1 constam os resultados de análise de solo e folha durante os três anos de condução do experimento. A saturação de bases está baixa nos três tratamentos, com o maior valor no tratamento 2 (45%), encontrado em setembro de 2015. Não foram verificadas diferenças significativas nos resultados de análise de folha ao longo dos três anos.

 

 

 

Tabela 1 – Evolução da fertilidade do solo níveis nutricionais da planta, três anos de condução do experimento, Campo Experimental IzidoroBronzi, Araguari (MG)

Nova Imagem

Na Tabela 2 constam os resultados biométricos para os três tratamentos, com medidas do número de nós e comprimento de ramos para demonstração do vigor vegetativo para a produção subsequente. Não foram verificadas diferenças significativas entre os tratamentos, porém, com valores absolutos maiores para o tratamento 3.

 

Tabela 2 – Biometria para os diferentes tratamentos de 2013 a 2015

Nova Imagem (1)

 

Mais produtividade e lucro

 

Analisando-se os resultados de produtividade (Tabela 3), verifica-se que os tratamentos com a utilização da água magnetizada promoveram significativos aumentos no cafeeiro. No tratamento 3 houve aumento de 17 sacas na média de três anos, comparando-se com a testemunha.

Nos valores de hoje do café, este acréscimo representa um retorno econômico maior para o cafeicultor, de R$ 8.500,00/hectare/ano. Em experimento em alface, Putti et al. (2015) obtiveram ganhos de produtividade de 63%.

As principais mudanças que ocorrem na água, conforme Putti et al. (2015) são a maior adsorção da água na superfície do solo, a cristalização e a precipitação de sais, a solubilização de alguns minerais e aumento da tensão superficial.  A água, quando submetida a um campo magnético aumenta a permeabilidade do solo, o que consequentemente, aumenta a eficácia da irrigação.

 

Tabela 3 – Produtividade em três safras, de tratamentos de água magnetizada, Campo Experimental IzidoroBronzi, Araguari (MG)

Tratamento 2012/2013 2013/2014 2014/2015 Média
Trat. 01 “Testemunha – água sem tratamento (100% NC IRRIGAÇÃO)” 44,0 b 33,5 b 40,0 b 39,1 b
Trat. 02 “Água “Magnetizada (50% NC IRRIGAÇÃO)” 52,1 b 40,1 ab 51,3 a 47,8 a
Trat. 03 “Água Magnetizada (100% NC IRRIGAÇÃO)” 61,0 a 57,1 a 55,1 a 57,7 a
C.V. % 7,78 22,38 6,13 13,35

 

Em termos de qualidade, também se verificaram maiores percentagens de frutos cereja nos tratamentos magnetizados, o que confere maior qualidade ao café produzido e também melhoria na renda.

 

 

 

 

 

 

 

 

Figura 1 – Maturação do café, três safras (a – 2012/2013, b – 2013/2014 e c – 2014/2015)

Nova Imagem (2)Nova Imagem (3)Nova Imagem (4)

 

Figura 2 – Renda, peso verde, peso seco e litros de café verde por planta, três safras

Nova Imagem (5)

Na Tabela 4 constam os resultados de análise de água em agosto de 2015, após a colheita da terceira safra. Não foram verificadas diferenças significativas nos valores de pH, ferro e manganês.

 

Tabela 4 – Resultados de análise de água nos três tratamentos, coleta em agosto de 2015.

Tratamentos pH (H2O) Fe (mg  kg-1) Mn (mg kg-1))
Trat. 01 – Água sem tratamento (100% NC IRRIGAÇÃO) 6,0 0,302 0,21
Trat. 02  – Água Magnetizada (50% NC IRRIGAÇÃO) 6,4 0,348 0,322
Trat. 03 – Água Magnetizada (100% NC IRRIGAÇÃO) 6,2 0,354 0,218

 

Na Tabela 5 constamos resultados de análise química dos grãos de café após a terceira colheita, sem diferenças significativas para os elementos medidos.

 

Tabela 5 – Extração de nutrientes nos frutos, agosto de 2015

Nova Imagem (6)

Com relação à qualidade, pontuando-se para cada amostra os parâmetros de aroma, ausência de defeitos, doçura, sabor, acidez, corpo, finalização e equilíbrio (total de 100 pontos), a melhor nota final foi obtida com o tratamento 3, com 80,3, o que configura o café como especial (nota acima de 80) – Tabela 6.

Com relação à distribuição por peneiras, na 3ª safra (Tabela 7) verificou-se melhor resultado do tratamento 2 para as peneiras 16 e acima e menor percentagem de peneira 13 e abaixo para o tratamento 3.

 

Tabela 6 – Análise sensorial do café colhido, 3ª safra, por tratamento.

Nova Imagem (7)

Tabela 7 – Distribuição por peneiras, 3ª safra, por tratamento.

Distribuição por peneiras Tratamento 1 Tratamento 2 Tratamento 3
16 e acima 44 46 40
15 17 15 24
14 12 15 15
13 e abaixo 27 24 21

 

Conclusões

 

Após três safras consecutivas, concluiu-se que:

  • A utilização da água magnetizada promoveu aumentos na produtividade do cafeeiro.
  • Em termos de qualidade, também se verificaram maiores percentagens de frutos cereja nos tratamentos magnetizados e a obtenção de café especial com a utilização de 100% da irrigação com água magnetizada.
  • A tecnologia da magnetização da água para irrigação produz novas possibilidades para o aumento da produção do cafeeiro.
  • São necessárias mais duas safras para a finalização do trabalho.

 

 

 

Essa matéria você encontra na edição de maio 2016 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua.

Última modificação em Sexta, 17 Agosto 2018 09:23
  1. Mais vistas
  2. Destaques
  3. Comentários

Calendário

« Novembro 2019 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30