China faz aposta arriscada para tentar reativar a economia Destaque

Escrito por  Mar 19, 2020

Os líderes chineses costumavam se preocupar com quando a expansão da economia cairia abaixo de 6%, para evitar demissões e agitação social. Agora, com a perspectiva do primeiro trimestre de crescimento zero ou negativo desde a revolução cultural de Mao Tsé-tung, eles estão mais preocupados em monitorar de perto o número de caminhões que entram e saem de locais como Qian’an.

Nesse distrito ficam algumas das maiores usinas siderúrgicas de Tangshan, centro industrial na província de Hebei, a leste de Pequim, que produz cerca de 10% do aço chinês e é crucial para os mercados mundiais do metal. Caminhões entram em Quian’an levando carvão de coque e minério de ferro e saem carregados de aço.

Se as usinas locais conseguirem elevar rapidamente a produção, à medida que as restrições extremas tomadas para conter a epidemia de Coronavírus na China forem sendo aliviadas, isso indicaria que o forte choque sofrido pela segunda maior economia do mundo desde janeiro poderia ser seguido por uma retomada no segundo trimestre, a tão exaltada “recuperação em forma de V”.

Por outro lado, o esforço do governo para que se retome a produção em locais como Qian’an poderia levar a um aumento nos casos de novas infecções de Coronavírus, o que desencadearia novas medidas de restrição e um choque econômico secundário ainda maior.

Trata-se, portanto, de uma grande aposta por parte do governo chinês. Uma aposta que foi reforçada ontem, quando o presidente chinês, Xi Jinping, fez a sua primeira visita a Wuhan, na província central de Hubei, onde a epidemia se originou em dezembro.

Esses dois possíveis desfechos, de contraste gritante, explicam por que não se vê quase nada além de caminhões entrando e saindo livremente de Quian’an. Em função de sua importância crítica para a indústria siderúrgica, o distrito foi alvo de algumas das medidas de quarentena mais rigorosas fora da província de Hubei.

 

Os supermercados em Qian’an estão fechados e todos os moradores foram instruídos a informar regularmente se apresentam sintomas de gripe e sua temperatura corporal. Os trabalhadores não podem deixar as usinas e seus familiares não podem visitá-los.

Com exceção de uma usina que recentemente teve um surto de Coronavírus, depois de um de seus funcionários ter se infectado numa festa de vilarejo, operadores dizem que as indústrias de Qian’an voltaram a operar, embora ainda abaixo dos níveis normais de produção. A dúvida, agora, é quanto desse aço vão conseguir vender.

“Não há demanda, especialmente no norte da China”, disse Zhang Ying, operador que negocia com as usinas em Tangshan. “O melhor que podemos fazer é vender uma parte bem pequena do aço para regiões ao sul ou para alguns locais com obras prioritárias que estão operando bem.”

A transformação da doença em uma epidemia mundial – com o número de casos subindo rapidamente em países como Coreia do Sul, Irã, Itália e EUA, indica que a economia da China poderia se recuperar apenas para descobrir que seus maiores parceiros comerciais estão assolados pela doença e sem demanda para produtos chineses.

Do ponto de vista político, será impossível para Xi, o líder mais poderoso da China em décadas, negar as consequências econômicas da calamidade do Coronavírus. Ele disse que comandaria as ações contra a epidemia ainda em 7 de janeiro, duas semanas antes de a gravidade da doença ser reconhecida publicamente pela primeira vez pelo Partido Comunista e por autoridades do governo. Isso, por sua vez, trouxe dúvidas sobre a vulnerabilidade do sistema cada vez mais autoritário de partido único.

“A máquina de propaganda do partido admitiu relutantemente que Xi foi responsável pelo fiasco”, disse Steve Tsang, chefe do Soas China Institute, em Londres. “As mudanças que Xi fez na forma de operar do sistema de partido único não fortaleceram sua capacidade de atuar para evitar uma crise. Em vez disso, tornaram mais fácil que crises surjam, já que tudo depende de que Xi compreenda a situação adequadamente e tome a decisão certa em momentos críticos.”

Essa opinião é compartilhada por um assessor de altos dirigentes do governo. “A crise do vírus é realmente (um caso de) 70% de erro humano (atribuível) à liderança.”

Algumas projeções econômicas são ainda mais preocupantes para a cúpula chinesa. Bert Hofman, diretor do East Asian Institute, da Universidade Nacional de Cingapura, prevê que pode haver contração anual, de entre 2% e 6,50%.

Caso uma reversão tão profunda se prolongue além do primeiro trimestre, poderia colocar em risco o que o governo chinês vê há muito como a “razão de ser” da busca por altas taxas de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB): a criação de empregos urbanos, cuja meta normalmente é fixada em dez milhões ou mais por ano.

“Os serviços e o consumo agora contribuem para mais de metade do PIB da China”, disse Hofman, ex-diretor do Banco Mundial na China. “A economia, portanto, está mais sensível a quedas na demanda interna resultantes da epidemia e às medidas de controle do governo. É mais difícil reconquistar o terreno perdido na área de serviços do que na industrial.”

No caso de a retração ter vida curta, os investimentos em bens de capital serão apenas adiados. Mas alguns negócios, como a perda de bilheteria dos cinemas no período do Ano Novo Lunar chinês, US$ 3.9 milhões neste ano, em comparação ao US$ 1.5 bilhão de 2019, nunca serão recuperados.

Em meio aos sinais de que as medidas de saúde pública de Pequim começam a conter a disseminação, as autoridades chinesas, a começar pelo próprio Xi, vêm frisando os aspectos positivos. “Os fundamentos da economia vão continuar fortes no longo prazo”, disse Xi aos presidentes do Chile e de Cuba em recentes conversas por telefone.

Em 29 de fevereiro, quando a Agência Nacional de Estatísticas divulgou o pior dado da história de seu índice de gerentes de compras, foi incluído um atípico comentário político, ressaltando que “sob a firme liderança do partido e com Xi Jinping no centro, o vírus está ficando sob controle […] e a confiança do mercado está retornando com firmeza.”

Em relatório amplamente divulgado pelas redes sociais chinesas, Zhang Anyuan, economista-chefe da Citic Securities, criticou os analistas que previam uma queda para apenas 4% ou 5% no crescimento anual no primeiro trimestre.

“Eles olham para os céus para adivinhar o futuro e asseverar que as perspectivas de médio e longo prazo (da economia) ainda são boas”, escreveu Zhang. “Se declarações políticas tão estúpidas se tornarem a base para a tomada de decisões estratégicas, vão causar tanto dano quanto os erros de julgamento iniciais sobre a epidemia.”

“Como é possível”, disse Zhang, que a economia tenha tido expansão no primeiro trimestre, quando mais de 1 bilhão de pessoas ficaram em casa por quase um mês?”

Com exceção do índice de gerentes de compra de fevereiro e da queda anual de 17% no valor das exportações de janeiro e fevereiro, divulgada no último sábado, a maioria dos dados oficiais do período só será anunciada mais para o fim deste mês.

Até lá, tanto otimistas quanto pessimistas podem escolher entre diversos dados contraditórios, assim como entre vários indicadores altamente específicos sobre atividades econômicas, para reforçar seus argumentos.

Autoridades governamentais normalmente citam dados indicando que a grande maioria das empresas voltou ao trabalho. Mas analistas alertam para o risco de que isso reflita apenas as empresas com aprovação para operar e de que muitas possam estar operando abaixo da capacidade normal.

Segundo um índice do China Merchants Bank que usa imagens de satélite para acompanhar a atividade em horário noturno, até a segunda-feira, pouco menos de 60% dos 143 grandes centros industriais pelo país haviam retomado as operações.



A G7 Networks, uma startup que recolhe dados de GPS de cerca de 20% dos veículos de carga na China, vem divulgando dados diários que mostram uma rápida retomada das entregas em caminhões com carga completa, feitas normalmente por grandes empresas, mas uma retomada só parcial nas entregas de cargas compartilhadas, usual em empresas menores.

Em relação ao início de fevereiro, quando esses dados estavam “extremamente desoladores”, as grandes entregas a fábricas e obras recuperaram-se e agora estão em 60% do que eram no pico em novembro. As entregas pequenas estão em apenas cerca de 26%, “não porque não haja motoristas, mas porque não há encomendas”, disse Sun Fangyuan, diretor de mercado da G7 Networks, acrescentando que o consumo começou a se recuperar nos últimos sete dias.

Na semana passada, diante da fraca atividade comercial, a província de Guangdong ampliou seu plano de desenvolvimento de 2020, acrescentando 100 bilhões de yuans (US$ 14 bilhões) em novos projetos de saúde pública, de obras rurais e de reconstrução de favelas.

A província de Zhejiang, no leste do país, anunciou cem novos projetos de ferrovias, estradas e outros programas. Sete outras províncias também divulgaram recentemente investimentos no valor de 25 trilhões de yuans, embora analistas da corretora Everbright Sun Hung Kai estimem que só 3.5 trilhões de yuans serão alocados neste ano.

Linda Liu, que administra uma fabricante de utensílios de cozinha em Yiwu, perto de Xangai, compra aço inoxidável de fornecedores domésticos e disse que a situação está melhorando, em parte, graças a subsídios locais para pagar os custos de transporte dos trabalhadores migrantes em suas viagens para que voltem ao trabalho.

“Minha fábrica reiniciou as operações em fevereiro, e o mercado de comércio internacional de Yiwu (um grande centro atacadista) também reabriu”, disse. “Até agora, metade de nossos funcionários e vendedores voltou ao trabalho. Meus fornecedores não retornaram a seus níveis anteriores de produção, mas temos encomendas e o estoque do ano passado. Então, ainda temos algo para fazer.”

Normalmente, quando a demanda interna cai, as siderúrgicas chinesas passam a exportar mais. Essa pode não ser mais uma opção, já que mercados como a Coreia do Sul têm sua própria epidemia de Coronavírus, disse Sebastian Lewis, analista da S&P Global Platts.

“As margens (de lucro) das usinas serão afetadas”, acrescenta, porém o que mais preocupa são os setores de pós-produção, como o imobiliário. “No passado, o governo podia deixar algumas empresas quebrarem, numa reestruturação do setor, mas agora chegamos ao ponto em que o emprego, a estabilidade e fazer a economia andar de novo vêm em primeiro lugar.”

Shen Jianguan, economista-chefe na subsidiária de serviços financeiros da JD.com, afirmou que a esperança inicial de recuperação está se enfraquecendo à medida que fica mais claro o impacto da epidemia nas cadeias produtivas e no consumo.

“Na comparação trimestral, certamente haverá uma recuperação (no segundo trimestre), mas para que o crescimento econômico anual volte a ser de mais de 6% ao ano, será necessária uma política coordenada de apoio fiscal e monetário que induza e encoraje as pessoas a gastar”, disse.

Shen analisou os balanços financeiros de empresas de capital aberto e concluiu que cerca da metade das empresas de hotelaria, alimentos e lazer com ações em bolsas chinesas se depara com riscos de liquidez no curto prazo. Ele estimou ainda que o lucro anual das empresas nas principais bolsas cairá, em média, cerca de 30%.

O economista prevê ainda que recuperar as perdas será quase impossível para muitas empresas de varejo e de bens de consumo. “É muito difícil compensar o turismo. É difícil ter outro feriado como o Ano Novo Lunar chinês”.

Em 1º de março, o órgão regulador do setor bancário da China e o banco central do país anunciaram que pequenas e médias empresas poderiam solicitar o adiamento no pagamento de juros e de dívidas a vencer no primeiro semestre do ano. Os credores dessas empresas, por sua vez, teriam o direito de adiar a contabilização formal desses créditos como inadimplentes.

Um dia antes, a HNA, um grupo privado de aviação e turismo com sede na província de Hainan, sul do país, informou que não havia conseguido resolver os problemas financeiros exacerbados pela epidemia e pediu intervenção estatal.

Wu Hai, um empreendedor do setor de serviços, dono de uma rede de 50 bares de karaokê em Pequim, disse que sua empresa tem caixa de cerca de 12 milhões de yuans em seu balanço. Ele acredita que, se necessário, pode manter os locais fechados até o fim de agosto sem pedir concordata, graças em parte a uma isenção de cinco meses no recolhimento de seguro social concedida às pequenas e médias empresas.

“O Ministério das Finanças e o banco central vêm oferecendo aos bancos créditos governamentais com descontos para as pequenas e médias empresas”, afirmou o empreendedor. “Mas os bancos não podem simplesmente dar empréstimos a pequenas empresas sem avaliar os riscos.”

Qin Nan, cuja empresa em Pequim fabrica e instala sistemas de purificação do ar, descobriu em fevereiro que conseguir a ajuda financeira supostamente oferecida às pequenas e médias empresas não era algo tão simples.

Quando pediu a seu banco para aceitar o adiamento do pagamento de um empréstimo, teve a solicitação negada, sob o argumento de que havia uma cota limitada para tais prorrogações. Qin tenta agora renovar o crédito, mas só poderá fazê-lo se achar uma empresa de crédito disposta a garanti-lo.

Mais preocupante para os governos locais chineses, que estão com os orçamentos espremidos e em 2018 levantaram quase 40% de sua arrecadação total por meio da venda de terrenos, são os dados do setor de imóveis. A venda de residências nas 30 maiores cidades da China caiu mais de 80% nas primeiras três semanas de fevereiro, em relação ao mesmo período de 2019, segundo dados oficiais.

A queda afeta as construtoras, que tentam, sem muito sucesso, atrair compradores com descontos e ofertas online. Os negócios de venda de terras estão em menos de 25% do nível normal, segundo o China Merchants Bank.

Todas essas pressões inéditas e a forma como Pequim vem reagindo a elas estão se configurando como o teste de resistência definitivo para o sistema de partido único da China, agora dominado por Xi.

“Quanto tempo vai levar para a retomada da economia? Não pode ir simplesmente de zero para a velocidade máxima”, disse Bilahari Kausikan, um ex-diplomata de Cingapura, conhecido pelo estilo franco, que também ressalta o risco representado pela disseminação mundial do vírus.

“Enquanto o número de novos casos chega a seu platô na China, a situação piora nos EUA e na Europa. Uma desaceleração sincronizada vai afetar a China. O país não é um universo isolado.”

 

Financial Times

    1. Mais vistas
    2. Destaques
    3. Comentários
    Ad Right

    Calendário

    « Abril 2020 »
    Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
        1 2 3 4 5
    6 7 8 9 10 11 12
    13 14 15 16 17 18 19
    20 21 22 23 24 25 26
    27 28 29 30