otícias > Em 7 anos, triplica o número de produtores orgânicos cadastrados no ministério          Agro+         Animais de Estimação         Febre Aftosa         Integridade         Orgânicos         Plano Agrícola e Pecuário         SIF  Assuntos          Aquicultura e Pesca         Assistência Técnica e Extensão Rural         Boas Práticas e Bem-estar Animal         Câmaras Setoriais e Temáticas         Cooperativismo         Importação e Exportação         Insumos Agropecuários         Inspeção         Gestão de Riscos         Laboratórios         Política Agrícola         Relações Internacionais         Registro de Produtos e Estabelecimentos         Saúde Animal e Sanidade Vegetal         Sustentabilidade         Trânsito Animal         Vigilância Agropecuária  Acesso à Informação          Institucional         Ações e Programas         Agendas de Autoridades         Auditorias         Convênios, Termos e Acordos         Dados Abertos         Demonstrativos Contábeis         Informações Classificadas         Licitações e Contratos         Participação Social         Perguntas Frequentes         Plano de Integração dos Serviços         Receitas e Despesas         Serviço de Informação ao Cidadão - SIC         Servidores  Centrais de Conteúdos          Vídeos         Áudios         Imagens         Eventos         Aplicativos         Publicações         Sistemas         Revistas         Notícias  Notícias Em 7 anos, triplica o número de produtores orgânicos cadastrados no ministério Vida saudável Número de unidades de produção cresceu 300% entre 2010 e 2018. Atualmente, 22 mil estão regularizadas publicado: 01/04/2019 14h26 última modificação: 02/04/2019 13h43 Exibir carrossel de imagens Guilherme Martimon/Mapa A tendência é de crescimento permanente tanto da produção quanto do consumo de orgânicos  A tendência é de crescimento permanente tanto da produção quanto do consumo de orgânicos  O interesse por alimentos saudáveis e sem contaminantes tem impulsionado o crescimento do consumo de produtos orgânicos no Brasil e no mundo. Em menos de uma década, o número de produtores orgânicos registrados no Brasil triplicou, segundo levantamento do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).   Fonte: Mapa/2019  Em 2012, havia no país quase 5,9 mil produtores registrados e março de 2019, já registrou mais de 17,7 mil, crescimento de 200%. No período também cresceu o número de unidades de produção orgânica no Brasil, saindo de 5,4 mil unidades registradas, em 2010, para mais de 22 mil no ano passado, variação de mais de 300%.  Fonte: Mapa/2019  “A tendência é de crescimento permanente”, afirmou Virgínia Mendes Lira, que chefia a Coordenação de Produção Orgânica, setor do Mapa responsável pelo Cadastro Nacional de Produtores Orgânicos e pela execução das ações relacionadas ao setor.  Apesar do crescimento exponencial dos registros no cadastro, o universo de produtores orgânicos no Brasil pode ser muito maior. Antes do decreto que regulamenta o setor entrar em vigor, em 2007, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) identificou 90 mil produtores que se autodeclararam como orgânicos.  “Houve uma ruptura quando o sistema entra em vigor e os produtores tem que se cadastrar. Nem todos estavam preparados para atender a todos os requisitos que as normas exigem. Então, a gente teve uma alimentação do cadastro nacional à medida que eles foram se sentindo seguros para entrarem no sistema e estarem regulares para comercialização de produtos orgânicos”, explica Virgínia.  Mercado em Brasília pioneiro na comercialização de produtos orgânicos                           Foto: Guilherme Martimon/Mapa  O déficit de registros resulta em baixa oferta no mercado e, consequentemente, preços mais elevados, uma das principais queixas dos consumidores interessados nos orgânicos. Em pesquisa feita há quatro anos pelo Data Popular sobre as principais demandas dos brasileiros ao Ministério da Agricultura, os consumidores relatam que enfrentam dificuldades para encontrar orgânicos e ter acesso aos alimentos a um preço mais em baixo.  Segundo a coordenação de produção orgânica do Mapa, o governo tem buscado meios de dar suporte aos produtores para que eles consigam se regularizar, ampliar a oferta e, assim, reduzir o preço dos produtos.  “Existe um potencial de alcance. A ideia de estarmos desenvolvendo políticas de fomento para o desenvolvimento da agricultura orgânica, é justamente para trazer o produto orgânico para mais perto do consumidor, para que o produto seja o mais socializado possível e não alcance só um nicho de mercado daqueles consumidores que podem pagar mais caro”, comenta.  A coordenadora ressaltou ainda que o Brasil se destaca no mundo como produtor e como mercado consumidor de orgânicos. A expectativa é que o setor consiga retomar ações de fomento à produção orgânica que perderam o fôlego nos últimos anos por falta de recursos.  “É uma ação importante para a sociedade. E a gente percebe também que há uma reação do mercado. Tem empresas de renome que estão buscando investir nisso”.  Entre as ações do poder público que tem impulsionado a produção de orgânicos no Brasil está Política Nacional de Alimentação Escolar, que privilegia o alimento produzido pela agricultura familiar do município. A Política prevê que o agente público priorize a contratação de produtos orgânicos para a merenda escolar.  Selo orgânico  Na pesquisa do Data Popular os consumidores também destacaram que querem mais informações sobre a procedência dos produtos e garantias de que sejam realmente orgânicos. E defendem que deveria ter mais ações de promoção aos orgânicos.  De acordo com a legislação brasileira, o produto orgânico fresco ou industrializado é obtido em sistema orgânico de produção agropecuária ou de processo extrativista sustentável e não prejudicial ao ecossistema local. Os insumos usados para controle de pragas que atacam o plantio de orgânicos devem ser fitossanitários com uso aprovado para agricultura orgânica e com baixa toxicidade.  Atualmente, existem no mercado diversos tipos de produtos com selo orgânico, desde cereais até bebidas                  Foto: Guilherme Martimon/Mapa  A comercialização dos produtos orgânicos em supermercados, lojas, restaurantes, hotéis, indústrias e outros locais depende de certificação junto aos Organismos da Avaliação da Conformidade Orgânica (OAC) credenciados no Mapa. Até o momento tem 36 OAC credenciados, sendo 25 Sistemas Participativos de Garantia da Qualidade Orgânica (SPG) e onze certificadoras por auditoria. A relação está disponível no site do Mapa.  Os produtos orgânicos nacionais ou estrangeiros devem apresentar o selo federal do SisOrg nos rótulos. E os restaurantes e lanchonetes que servem pratos ou ingredientes orgânicos devem colocar à disposição dos consumidores a lista dos produtos utilizados e seus fornecedores.  Para ser comercializado, produto orgânico deve ser habilitado por certificadoras registradas no Ministério da Agricultura otícias > Em 7 anos, triplica o número de produtores orgânicos cadastrados no ministério Agro+ Animais de Estimação Febre Aftosa Integridade Orgânicos Plano Agrícola e Pecuário SIF Assuntos Aquicultura e Pesca Assistência Técnica e Extensão Rural Boas Práticas e Bem-estar Animal Câmaras Setoriais e Temáticas Cooperativismo Importação e Exportação Insumos Agropecuários Inspeção Gestão de Riscos Laboratórios Política Agrícola Relações Internacionais Registro de Produtos e Estabelecimentos Saúde Animal e Sanidade Vegetal Sustentabilidade Trânsito Animal Vigilância Agropecuária Acesso à Informação Institucional Ações e Programas Agendas de Autoridades Auditorias Convênios, Termos e Acordos Dados Abertos Demonstrativos Contábeis Informações Classificadas Licitações e Contratos Participação Social Perguntas Frequentes Plano de Integração dos Serviços Receitas e Despesas Serviço de Informação ao Cidadão - SIC Servidores Centrais de Conteúdos Vídeos Áudios Imagens Eventos Aplicativos Publicações Sistemas Revistas Notícias Notícias Em 7 anos, triplica o número de produtores orgânicos cadastrados no ministério Vida saudável Número de unidades de produção cresceu 300% entre 2010 e 2018. Atualmente, 22 mil estão regularizadas publicado: 01/04/2019 14h26 última modificação: 02/04/2019 13h43 Exibir carrossel de imagens Guilherme Martimon/Mapa A tendência é de crescimento permanente tanto da produção quanto do consumo de orgânicos A tendência é de crescimento permanente tanto da produção quanto do consumo de orgânicos O interesse por alimentos saudáveis e sem contaminantes tem impulsionado o crescimento do consumo de produtos orgânicos no Brasil e no mundo. Em menos de uma década, o número de produtores orgânicos registrados no Brasil triplicou, segundo levantamento do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Fonte: Mapa/2019 Em 2012, havia no país quase 5,9 mil produtores registrados e março de 2019, já registrou mais de 17,7 mil, crescimento de 200%. No período também cresceu o número de unidades de produção orgânica no Brasil, saindo de 5,4 mil unidades registradas, em 2010, para mais de 22 mil no ano passado, variação de mais de 300%. Fonte: Mapa/2019 “A tendência é de crescimento permanente”, afirmou Virgínia Mendes Lira, que chefia a Coordenação de Produção Orgânica, setor do Mapa responsável pelo Cadastro Nacional de Produtores Orgânicos e pela execução das ações relacionadas ao setor. Apesar do crescimento exponencial dos registros no cadastro, o universo de produtores orgânicos no Brasil pode ser muito maior. Antes do decreto que regulamenta o setor entrar em vigor, em 2007, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) identificou 90 mil produtores que se autodeclararam como orgânicos. “Houve uma ruptura quando o sistema entra em vigor e os produtores tem que se cadastrar. Nem todos estavam preparados para atender a todos os requisitos que as normas exigem. Então, a gente teve uma alimentação do cadastro nacional à medida que eles foram se sentindo seguros para entrarem no sistema e estarem regulares para comercialização de produtos orgânicos”, explica Virgínia. Mercado em Brasília pioneiro na comercialização de produtos orgânicos Foto: Guilherme Martimon/Mapa O déficit de registros resulta em baixa oferta no mercado e, consequentemente, preços mais elevados, uma das principais queixas dos consumidores interessados nos orgânicos. Em pesquisa feita há quatro anos pelo Data Popular sobre as principais demandas dos brasileiros ao Ministério da Agricultura, os consumidores relatam que enfrentam dificuldades para encontrar orgânicos e ter acesso aos alimentos a um preço mais em baixo. Segundo a coordenação de produção orgânica do Mapa, o governo tem buscado meios de dar suporte aos produtores para que eles consigam se regularizar, ampliar a oferta e, assim, reduzir o preço dos produtos. “Existe um potencial de alcance. A ideia de estarmos desenvolvendo políticas de fomento para o desenvolvimento da agricultura orgânica, é justamente para trazer o produto orgânico para mais perto do consumidor, para que o produto seja o mais socializado possível e não alcance só um nicho de mercado daqueles consumidores que podem pagar mais caro”, comenta. A coordenadora ressaltou ainda que o Brasil se destaca no mundo como produtor e como mercado consumidor de orgânicos. A expectativa é que o setor consiga retomar ações de fomento à produção orgânica que perderam o fôlego nos últimos anos por falta de recursos. “É uma ação importante para a sociedade. E a gente percebe também que há uma reação do mercado. Tem empresas de renome que estão buscando investir nisso”. Entre as ações do poder público que tem impulsionado a produção de orgânicos no Brasil está Política Nacional de Alimentação Escolar, que privilegia o alimento produzido pela agricultura familiar do município. A Política prevê que o agente público priorize a contratação de produtos orgânicos para a merenda escolar. Selo orgânico Na pesquisa do Data Popular os consumidores também destacaram que querem mais informações sobre a procedência dos produtos e garantias de que sejam realmente orgânicos. E defendem que deveria ter mais ações de promoção aos orgânicos. De acordo com a legislação brasileira, o produto orgânico fresco ou industrializado é obtido em sistema orgânico de produção agropecuária ou de processo extrativista sustentável e não prejudicial ao ecossistema local. Os insumos usados para controle de pragas que atacam o plantio de orgânicos devem ser fitossanitários com uso aprovado para agricultura orgânica e com baixa toxicidade. Atualmente, existem no mercado diversos tipos de produtos com selo orgânico, desde cereais até bebidas Foto: Guilherme Martimon/Mapa A comercialização dos produtos orgânicos em supermercados, lojas, restaurantes, hotéis, indústrias e outros locais depende de certificação junto aos Organismos da Avaliação da Conformidade Orgânica (OAC) credenciados no Mapa. Até o momento tem 36 OAC credenciados, sendo 25 Sistemas Participativos de Garantia da Qualidade Orgânica (SPG) e onze certificadoras por auditoria. A relação está disponível no site do Mapa. Os produtos orgânicos nacionais ou estrangeiros devem apresentar o selo federal do SisOrg nos rótulos. E os restaurantes e lanchonetes que servem pratos ou ingredientes orgânicos devem colocar à disposição dos consumidores a lista dos produtos utilizados e seus fornecedores. Para ser comercializado, produto orgânico deve ser habilitado por certificadoras registradas no Ministério da Agricultura Foto: Guilherme Martimon/Mapa

Em 7 anos, triplica o número de produtores orgânicos cadastrados no ministério Destaque

Escrito por  Abr 05, 2019

O interesse por alimentos saudáveis e sem contaminantes tem impulsionado o crescimento do consumo de produtos orgânicos no Brasil e no mundo. Em menos de uma década, o número de produtores orgânicos registrados no Brasil triplicou, segundo levantamento do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

 

Fonte: Mapa/2019

 

Fonte: Mapa/2019



Em 2012, havia no país quase 5,9 mil produtores registrados e março de 2019, já registrou mais de 17,7 mil, crescimento de 200%. No período também cresceu o número de unidades de produção orgânica no Brasil, saindo de 5,4 mil unidades registradas, em 2010, para mais de 22 mil no ano passado, variação de mais de 300%.

“A tendência é de crescimento permanente”, afirmou Virgínia Mendes Lira, que chefia a Coordenação de Produção Orgânica, setor do Mapa responsável pelo Cadastro Nacional de Produtores Orgânicos e pela execução das ações relacionadas ao setor.

Apesar do crescimento exponencial dos registros no cadastro, o universo de produtores orgânicos no Brasil pode ser muito maior. Antes do decreto que regulamenta o setor entrar em vigor, em 2007, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) identificou 90 mil produtores que se autodeclararam como orgânicos.

“Houve uma ruptura quando o sistema entra em vigor e os produtores tem que se cadastrar. Nem todos estavam preparados para atender a todos os requisitos que as normas exigem. Então, a gente teve uma alimentação do cadastro nacional à medida que eles foram se sentindo seguros para entrarem no sistema e estarem regulares para comercialização de produtos orgânicos”, explica Virgínia.

O déficit de registros resulta em baixa oferta no mercado e, consequentemente, preços mais elevados, uma das principais queixas dos consumidores interessados nos orgânicos. Em pesquisa feita há quatro anos pelo Data Popular sobre as principais demandas dos brasileiros ao Ministério da Agricultura, os consumidores relatam que enfrentam dificuldades para encontrar orgânicos e ter acesso aos alimentos a um preço mais em baixo.

Segundo a coordenação de produção orgânica do Mapa, o governo tem buscado meios de dar suporte aos produtores para que eles consigam se regularizar, ampliar a oferta e, assim, reduzir o preço dos produtos.

“Existe um potencial de alcance. A ideia de estarmos desenvolvendo políticas de fomento para o desenvolvimento da agricultura orgânica, é justamente para trazer o produto orgânico para mais perto do consumidor, para que o produto seja o mais socializado possível e não alcance só um nicho de mercado daqueles consumidores que podem pagar mais caro”, comenta.

A coordenadora ressaltou ainda que o Brasil se destaca no mundo como produtor e como mercado consumidor de orgânicos. A expectativa é que o setor consiga retomar ações de fomento à produção orgânica que perderam o fôlego nos últimos anos por falta de recursos.

“É uma ação importante para a sociedade. E a gente percebe também que há uma reação do mercado. Tem empresas de renome que estão buscando investir nisso”.

Entre as ações do poder público que tem impulsionado a produção de orgânicos no Brasil está Política Nacional de Alimentação Escolar, que privilegia o alimento produzido pela agricultura familiar do município. A Política prevê que o agente público priorize a contratação de produtos orgânicos para a merenda escolar.

 

Atualmente, existem no mercado diversos tipos de produtos com selo orgânico, desde cereais até bebidas (Foto: Guilherme Martimon/Mapa)


Selo orgânico

Na pesquisa do Data Popular os consumidores também destacaram que querem mais informações sobre a procedência dos produtos e garantias de que sejam realmente orgânicos. E defendem que deveria ter mais ações de promoção aos orgânicos.

De acordo com a legislação brasileira, o produto orgânico fresco ou industrializado é obtido em sistema orgânico de produção agropecuária ou de processo extrativista sustentável e não prejudicial ao ecossistema local. Os insumos usados para controle de pragas que atacam o plantio de orgânicos devem ser fitossanitários com uso aprovado para agricultura orgânica e com baixa toxicidade.


A comercialização dos produtos orgânicos em supermercados, lojas, restaurantes, hotéis, indústrias e outros locais depende de certificação junto aos Organismos da Avaliação da Conformidade Orgânica (OAC) credenciados no Mapa. Até o momento tem 36 OAC credenciados, sendo 25 Sistemas Participativos de Garantia da Qualidade Orgânica (SPG) e onze certificadoras por auditoria. A relação está disponível no site do Mapa.

Os produtos orgânicos nacionais ou estrangeiros devem apresentar o selo federal do SisOrg nos rótulos. E os restaurantes e lanchonetes que servem pratos ou ingredientes orgânicos devem colocar à disposição dos consumidores a lista dos produtos utilizados e seus fornecedores.


Mercado em Brasília pioneiro na comercialização de produtos orgânicos(Foto: Guilherme Martimon/Mapa)



Os agricultores familiares que fazem parte de organizações de controle social cadastradas no Ministério ou que vendem exclusivamente de forma direta aos consumidores são dispensados da certificação. Neste caso, os produtores não podem vender para terceiros, somente em feiras ou para serviços do governo (merenda e Conab), e devem portar uma declaração de cadastro junto ao Mapa para comprovar que faz parte de um grupo que se responsabiliza pela produção.

O Ministério da Agricultura, em parceria com outros ministérios, está preparando uma série de atividades de fomento à produção de orgânicos. Na última semana de maio, será realizada a 15ª edição da Semana Nacional dos Orgânicos, com o tema “Qualidade e Saúde: do Plantio ao Prato”.

Mais informações à Imprensa:
Coordenação geral de Comunicação Social
Débora Brito
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

    1. Mais vistas
    2. Destaques
    3. Comentários
    Ad Right

    Calendário

    « Agosto 2022 »
    Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
    1 2 3 4 5 6 7
    8 9 10 11 12 13 14
    15 16 17 18 19 20 21
    22 23 24 25 26 27 28
    29 30 31